As lutas de Anísio Teixeira

30 de outubro de 2014 -
AnÌsio Teixeira

Anísio Teixeira (à esquerda, com documentos na mão) propõe ao ministro da Educação, Cândido Mota Filho (à direita, de terno escuro) reformas no ensino industrial em 27 de julho de 1955.

A Fundação para o Desenvolvimento da Ciência na Bahia

 “Como sabe, estamos com a Fundação para o Desenvolvimento da Ciência engatinhando… Antes mesmo de se pôr de pé – já tinha, sob seus auspícios, o convênio com a Unesco (Metraux) e o convênio com a Columbia University (Estudo Social de Comunidades). Mas somos ambiciosos. E no programa para 1951/52, queríamos ver o que podíamos trazer para a Bahia em certos campos fundamentais de ciência, nos quais vamos lentamente voltando à Idade Média. Assim é que gostaríamos de examinar a possibilidade da vinda para a Bahia, digamos, de um naturalista, um físico e um geólogo. A minha ideia seria contribuir, mediante um contrato longo, para fixar na Bahia figuras promissoras em cientistas que desejassem viver e estudar a Bahia. Algo como aqueles primeiros estrangeiros que para aqui vieram e se fizeram cientistas nacionais.”

 Anísio Teixeira, maio de 1951

(Carta de Anísio Teixeira a Paulo Carneiro sobre a Fundação que criou antes de deixar a Secretaria de Educação do Estado da Bahia, no governo de Otávio Mangabeira; citado em Viana Filho, Luís, Anísio Teixeira: a polêmica da Educação, São Paulo, Editora Unesp; Salvador, Edufba, 2008, p. 139)

Deixe uma resposta