Um homem da área na Secti

13 de janeiro de 2015

Gomes de Mendonca

A comunidade científica da Bahia, não menos que empresários e jovens executivos de empresas de base tecnológica comprometidos com os esforços de inovação efetiva nesse estado, manifestam uma expectativa bastante positiva em relação ao novo titular da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). Primeiro, comentam representantes do primeiro grupo, o secretário é um homem da área. De fato, Manoel Gomes de Mendonça Neto, professor titular da UFBA, engenheiro de formação, mestre em engenharia da computação e automação industrial pela Unicamp e doutor em ciência da computação pela Universidade de Maryland (instituição onde fez também um pós-doc focado em engenharia de software), tem um currículo Lattes para não deixar qualquer dúvida a esse respeito (http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4781674U8). Em segundo lugar, observam representantes do outro grupo, o secretário está longe de ser um acadêmico alheio ao mundo empresarial. Não bastassem as características intrínsecas da engenharia e da área de TI, campos tecnológicos por excelência que, já de saída, põem seus profissionais com um pé no mundo da produção real, sua passagem como cientista visitante na IBM no Canadá, entre 1994 e 1997 e, mais remotamente, seus estágios na década de 1980 na Deten e na Telebahia, além de seu trabalho como engenheiro na Consai (Consultores Associados em Automação Industrial SC Ltda), no comecinho dos 90, testemunham alguma intimidade de Gomes de Mendonça Neto com o ambiente da produção empresarial.

A propósito, nesta última segunda, 12, o secretário deu algumas indicações iniciais de como pretende costurar as diferentes competências da secretaria que comanda. Depois de uma reunião com profissionais do Tecnocentro Bautista Vidal para conhecer em detalhes o plano de ocupação física do Parque Tecnológico da Bahia, ele ressaltou, segundo notícia no próprio site da Secti, que estava iniciando um trabalho para “estimular e incentivar a participação popular na cultura da inovação”. Dentro do projeto de expansão do parque, acrescentou, “pretendemos construir o Parque Ambiental, o Museu Mundo da Ciência, o Condomínio de T.I.C, a Escola Técnico-Científica e um parque infantil”. Ambientes de inovação e ambientes de interação com a sociedade, inclusive com a população dos bairros populares do entorno do parque.  Aguardam-se detalhes.

Deixe uma resposta